Pulando Ondas

Salva-Vidas AmazôniaBlog da Base de CoariLeave a Comment

“Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação, perseverem na oração.” Rom.12:02

Recebi a missão de ir a um de nossos polos de atuação acompanhar a obra de uma casa missionaria.
Aprontei minhas coisas, a Lamparina (canoa) e parti em uma viagem que levaria em média duas horas e meia a três horas para chegar. Resolvi parar no meio do caminho para fazer uma visita a um irmão de nossa igreja que morava ali no beiradão e após minutos de conversa ele disse: “É irmão, melhor ir antes da chuva.”

Olhei em volta e não vi nenhuma nuvem sequer. Montei na canoa e comecei a atravessar para outra margem do largo lago. Quando estava chegando no meio, realmente a chuva apareceu! Uma nuvem bem escura vinha de lado e se pôs de frente com a canoa para minha tristeza. Logo percebi que não tinha o que fazer a não ser encarar de frente a tempestade. Logo as ondas começaram a ficar mais fortes o vento zunir ao passar pelas laterais da canoa e do meu ouvido. O timão ficou pesado, querendo ter vida própria fazendo força de um lado para outro.

A situação ficou tensa e como precaução, logo orei a Jesus pedindo perdão de meus pecados e a proteção. Na sequência amarrei uma de minhas malas num colete e a outra mala no outro colete enquanto segurava firmemente no leme da canoa com uma das mãos. Peguei mais um colete e pus no meio de minhas pernas ficando pronto e preparado para o pior.

Sem ter ninguém pra ajudar e com a sensação de estar só, a canoa pulava de onda em onda igual um boi de rodeio. Sua proa abaixava na saída da onda, entrando uma enxurrada de agua pra dentro. Concentrado, com os olhos esbugalhados e ligado em todos os mini rasantes por entre as ondas… o motor para de funcionar: “Caracas… acabou o combustível!”

O tempo que gastei pra abastecer, o vento e as ondas puseram a embarcação automaticamente de “banda” (lado), as ondas faziam-na rolar de um lado para outro. Que momento difícil! No meio da tempestade, mal ficava de pé, quanto mais conseguir abastecer a canoa. Pondo mais combustível pra fora do que pra dentro do tanque, consegui por uma quantia suficiente pra conseguir chegar até a outra beira do lago.

Foram longos segundos rolando de lado para outro e entrando agua, até ligar e partir, só que agora começava outro desespero, a tempestade era tão forte que não conseguia ver pra que lado devia ir, pois não se via nada além da tempestade. Tudo fechado a minha volta e num segundo de conversa com Deus, ouvi aquela voz baixinha da consciência dizendo: “Meu filho, vá de frente com as ondas!”

Coloquei no rumo de frente com a tempestade novamente, e após vários minutos batendo contra bravas ondas, avistei a margem meio apagada, mas foi ficando mais visível até que saí do meio daquela tempestade e avistei a margem oposta.

Nossa vida é igual, no momento que as tempestades aparecem e nos cercam sem termos tempo de sair, em Deus achamos as forças para prosseguir, a confiança do caminho certo, a proteção de sua mão reparadora e a certeza de que tudo aquilo passará e Ele estará conosco.

Amigos, não importa o tamanho da tempestade, Deus passará conosco se estivermos ligados a Ele.
Diga-se de passagem, sou amante da adrenalina, mas este dia a dose não foi dupla, foi tripla!!

Por Fernando Silvestre

Compartilhe

Sobre o Autor

Salva-Vidas Amazônia

Facebook Twitter

Somos um grupo de voluntários da Igreja Adventista do Sétimo dia, que trabalha em comunidades ribeirinhas no interior da Amazônia, levando Cristo para aqueles que ainda não O conhecem

Deixe uma resposta